Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

Ai costa, a vida costa!

Damos voltas e voltas. A vida não nos satisfaz ou, provavelmente, nós é que não nos deixamos satisfazer pelos seus pequenos prazeres.

Seja qual for a hipótese mais concreta, a verdade é que nos queixamos de tudo. Barafustamos todos os dias porque o estado do tempo raramente nos apraz. O frio é demais, o calor insuportável. A chuva, que faz falta para que as sementes germinem, tarda em encharcar-nos os pés. E o sol, essencial para que a densidade óssea se mantenha saudável, decide jogar às escondidas no dia em que precisamente o nosso rosto acudia por um cintilo puro, quente e um pouco mais gentil.

O problema é que até a ausência de problemas é problemática.

Sem vitamina D, que o sol nos valha, deixamos de poder fazer queixinhas à vontade porque, até a contrariedade de que somos feitos, acaba por quebrar aos poucos.

E queixamo-nos tantas vezes…

"Obrigada..."

Os dias vão-se rotulando.

Cresce uma vontade visceral de emprestar cores ao tempo. De significar as palavras e de, para o efeito, as assinalar em momentos efémeros.

Existem “dias mundiais”, datas importantes que se perpetuam no tempo. E existe a nossa forma estranha de denotar sentimentos.

São pouco cordiais as meras vinte e quatro horas de destaque quando as emoções fermentam ininterruptamente dentro de nós. Quando são pequenas bombas-relógio, pequenos rastilhos que desencadeiam guerras turbulentas no peito.

Os tempos mudaram. As gerações cresceram. Vejo, nos olhos de hoje, o espelho de novas trivialidades, cujo engenho se foi fomentando aos poucos, de há uns pares de anos a esta parte.

E digo-o porque sinto, como nunca, a terra deslizar-me pela sola. Como se o nosso entendimento se baseasse numa teoria de Wegener: inaceitável para a época, irrefutável para a consciência.

 

 

2016: O ceifador de arte

2016 tem sido um ano devastador para o mundo artístico.

Na música, a minha arte mais querida, a ceifa parece nunca mais ter fim.

As grandes lendas vão, aos poucos, deixando-nos para trás. E foram muitas este ano. Muitas e indescritivelmente grandes...

Acredito que lá em cima se estará a trabalhar no melhor álbum de todos os tempos e que talvez só outras divindades o mereçam de facto ouvir.

David Bowie, Prince, Leonard Cohen e agora George Michael. Estes e tantos outros nomes que ao longo deste ano deixaram o mundo, com certeza, mais pobre. Mas que, no entanto, serão para sempre, neste mesmo mundo, imortais e merecedores de todas as homenagens.

Obrigada!!

Obrigada por me fazerem sentir tantas coisas e por me transmitirem tantas mensagens.

Obrigada por fazerem música!

 

Feliz Natal!

Hoje, quero apenas desejar-vos um Santo e Feliz Natal! 

Que não falte nada na vossa mesa e que, acima de tudo, se ouçam muitas gargalhadas.

Que a vossa luz interior brilhe intensamente e que não se apague o amor do vosso coração.

Que não vos falte saúde nem paz e que, dentro de nós, haja tempo para nos lembrarmos daqueles que já partiram e daqueles que hoje, infelizmente, não poderão ter um Natal digno, feliz e seguro. 

Que hoje voltemos a nossa atenção para quem verdadeiramente amamos. Para todos aqueles que dão sentido à nossa vida, para os que não nos deixam desistir, para os que nos estendem a sua mão, para os que são, efetivamente, insubstituíveis!

A vocês, um agradecimento muito especial por lerem o que escrevo e por também fazerem parte do meu Natal! 

Que nunca nos faltem as palavras e que possamos sempre expressar os nossos sentimentos e opiniões, sem medos. 

Que possamos sempre celebrar o amor e escrever o mais bonito de todos os poemas!

 

FELIZ NATAL!

O Natal és tu!

«O Natal és tu, quando decides nascer de novo em cada dia e deixar Deus entrar na tua alma.
A árvore de Natal és tu, quando resistes vigoroso aos ventos e dificuldades da vida.
Os enfeites de Natal és tu, quando as tuas virtudes são cores que enfeitam a tua vida.
O sino de Natal és tu, quando chamas, congregas e procuras unir.
És também luz de Natal, quando com a tua vida iluminas o caminho dos outros com a bondade, a paciência, a alegria e a generosidade.

 

Até tenho saudades...

Deixei de falar com o passado.

Lembro-me às vezes das nossas conversas, daqueles conselhos dados pelo espelho retrovisor e dos dilemas captados por uma lente ainda sem risco algum.

Era eu e o banco de trás com três cintos que pouco apertavam e uns carrapitos desprendidos de infelicidades.

Eram os domingos em que ainda havia tempo para ir descobrir cidades. Eu no meio de dois braços fortes, de duas mãos suaves, de dois seres que amo.

Até tenho saudades!

 

O dia mais pequeno do ano

Há muito que as mantas me cobrem as pernas e as gavetas estão aconchegadas por malhas de várias cores.

À noite, nada sabe melhor do que uma caneca quente entre os dedos. E os pés escondem-se por baixo de três pares de meias polares enquanto o pescoço se deixa envolver pela suavidade de um cachecol que dá voltas e voltas.

Um quadradinho de chocolate, daquele bem negro e com uma percentagem considerável de cacau, para que a tentação não dê lugar ao arrependimento, e os dias parecem perfeitos.

Depois, chega também a altura dos frutos secos. Castanhas cruas, cozidas ou assadas. Quentes, tão quentes como as gargalhadas de uma família reunida num simples momento de partilha.

Vêm as nozes, as uvas passas, os pinhões, os figos, as tâmaras e os doces de natal. 

 

 

Reivindicar o Amor

Para muitos, a época mais especial do ano aproxima-se. Para outros, não existe sequer esperança no dia seguinte.

É assim que o mundo é. É assim que a vida se comporta.

Uns são ricos, outros são pobres. Uns têm saúde, outros lutam por ela.

Uns têm família, outros têm-se a si mesmos. Uns têm sorte, outros menos juízo.

Existem ainda aqueles que, aos nossos olhos, têm tudo o que é preciso para se sentirem felizes, mas, ao invés disso, se sentem vazios. As suas vozes não se ouvem durante a consoada, os presentes desinteressam-se pelos embrulhos, a chama vai cessando e o fumo surgindo em pequenas névoas de esquecimento.

A lareira vai-se apagando…

 

Este ano o Natal vai ficar pelo caminho para muitas pessoas.

Sim, infelizmente, é verdade.

Muitas crianças não vão ter presentes porque lhes falta, entre outras coisas, alimento: o que nutre o corpo e o que acalenta a alma.

 

 

Savoir-faire

 

Ainda escrevo porque sim. Não porque tenha matéria particularmente relevante para partilhar, mas como um mecanismo catártico necessário e inerente à minha condição.

Escrever é uma grande ferramenta para quem gosta de estar sozinho, mas, acima de tudo, para quem não se coíbe de encontrar uma companhia nas palavras.

Às vezes, não sai tão direitinho como se pensou. Outras vezes, escreve-se sem olhar para trás, compulsivamente.

Querer escrever e não ser capaz provoca em mim uma consternação pungente e, por sua vez, ler o que outrora redigi, uma autocrítica que chega a ser desconcertante e que me leva, com alguma frequência, a questionar e até duvidar do meu savoir-faire.

 

Amálgama

 

     Extrato de chá verde impregnado na pele. Um carmesim desconcertante a figurar pelos dedos. Camisa em pendant com as calças de pinças azul comassie e o preenchimento das sobrancelhas outrora em desalinho.

    Custa ser-se assim tão impecável! Emprestar umas ondulações ao cabelo crespo, uns iluminadores à habitual pele esbatida, um brilho discreto ao cieiro do inverno.

     Custa escolher os tons, não confundir os padrões nem abusar da sensualidade ou do desarrumo propositado.

Mas o que custa igualmente é parecer que tudo aquilo é natural: o passo firme que ecoa pela rua, o som dos impetuosos quinze centímetros de altivez que se reproduz intermitentemente, a confiança de um desprezo ao piropo mal fingido, o queixo levantado de olhos postos no embaraço.

 

Mais sobre mim

Seguir perfil

A ler:

Calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D