Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

Metade

 

Sou a metade de cada fragmento

Que se reproduz e pousa em mim,

Um todo incompleto e vazio

Sem princípio mas com fim

 

Sinto deveras…

Mas um deveras pouco demais

Qual mundo sem fronteiras?

Quais homens imortais?

 

A lucidez dói, fere, ensanguenta,

Corrói a ilusão e reduz a expectativa

E a mágoa, essa, não se ausenta

De cada alma carecida.

 

A transparência filtra porções de incerteza

A esperança desarma e anoitece

Os meus sonhos adormecem

E o silêncio melancólico, entristece

 

Lua, que em ti deténs alento,

Varre esta poeira

Que semeia sofrimento

 

Estou cada vez mais cansada…

 

Que náusea, saber que passamos no tempo

Horas a fio, minutos a tracejado

Do luto ao esquecimento

É um instante contado

 

Depois, a essência volta

E somos nossos

Um pó de revolta

Sem impulsos nervosos

 

E a chuva cai

No compasso do sino

E a vida vai

Cumprindo o seu destino…

 

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Seguir perfil

A ler:

Calendário

Outubro 2016

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D