Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

Desaires

             

 

Inacreditáveis os dias em que somos atropelados pelos desígnios de um caminho desalcatroado.

Terra impermeável ao esforço, declínio emocional, sonho em capotagem.

Um desaire que não se ultrapassa, que leva tempo e lágrimas a esvair pelo rio.

Tantas perguntas e murros na mesa. O desespero de um “porquê?” que vale por mil e uma sentenças.

Eu não percebo, o vizinho tenta perceber e todos os outros esticam o braço e prolongam o indicador em direção aos teus olhos ou, por outro lado, nem se importam se estás bem ou se estás mal porque é a tua vida. É a tua cruz.

 

Já apaguei as luzes, já me enrolei como se todo o espaço que ocupo fosse ainda mais pequeno do que eu. E eu… E eu não tivesse direito a ocupá-lo por ser pequena demais, por me querer esconder das investidas da vida, do vento que vem e me leva os sonhos, que me assalta de mãos e pés atados. Que me leva a rota da alma. Que me desilude por ter desiludido tantos outros.

Fico com pena de mim, às vezes. Incompreensível, o castigo que me projeta para as ravinas acidentadas, para a dor de ter quebrado promessas e perdido tempos.

Outras vezes, penso que o destino está escrito numa folha de papel em branco e que tudo, tudo, tudo acontece por uma razão.

E, depois, sei que a culpa é mim e não é a tua. O sonho é meu e não é teu. Eu não consegui, mas tu conseguiste. E mereceste.

A vida é justa!

Não estou preparada para avançar sentimentos. Prefiro estar sozinha, no meu canto. Fazer o meu luto. Ler-me, perceber-me, reconstruir-me, voltar de novo a ter forças para construir um futuro. Chorar tudo enquanto tiver que chorar. Gritar enquanto dentro de mim a frustração tiver voz. Dormir enquanto os pesadelos voltarem em consciência, enquanto o barulho da vida não for o alarme que me desperta.

Dormir para querer e precisar de acordar, para pertencer ao grupo dos que superam a si mesmos e insistem na felicidade do coração.

 

Mais sobre mim

Seguir perfil

A ler:

Calendário

Junho 2016

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D