Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

O meu poema

O blog em que o sonho é o principal verso da vida. O ser humano na sua essência. Os sentimentos à flor da pele. O tudo e o nada.

«Quero voltar para os braços da minha mãe»

 

A regularidade que não quero perder perde-se na semana que muda tudo. 

Já não sei se sou quem era, se a vida me mudou, se os objetivos mudaram, se rio ou choro.

Já não sei se é a saudade ou a nostalgia ou uma mistura destas duas porcelanas de revenda.

Vivi tudo com pressa e sem pressa, com vontade de continuar e de voltar. Vivi tudo sem saber o lugar certo para o fazer, sem saber como voar com as asas que me emprestaram, até porque, nunca soube voar, nunca quis voar!

E agora é isso que me resta, caminhar pelo meu próprio pé, viver uma vida sem sentido, sem desistir, contudo, de o procurar.

Pode estar mesmo ali, em frente à escuridão que a luz me parece. Pode estar longe, pode estar perto. Pode até não estar.

E se não estiver?

 

E se o sonho acabar ali, na confusão dos sentidos, numa vista sobre o Tejo?

Só peço que os sonhos não me tirem as palavras, que as vivências não me calem, que as mudanças me incentivem e que este pequeno pedaço de amor cresça e me faça descobrir que os sonhos não acabam, antes se reformulam.

Foi a hora da partida, a chegada a um outro lugar. Foi o abandono do conforto certo, a aventura, a vontade de tudo e de nada. Não sei bem o que me basta, não sei bem o que me fica. O nada e o tudo são relativos. Relativamente próximos. Relativamente incertos.

É a partida, o regresso a casa... Os mimos, as comidas, os conselhos, o amor caseiros. É o salto entre o ter e não ter, o querer e não querer. É a voz que entoa e prefura as artérias é o beijo que penetra todas feridas e as lambe e as cura.

É tão difícil deixar o que é meu...

E na dúvida, numa qualquer incerteza, se nada mais aprender, sei que saberei sempre como é bom e como quero  "voltar para os braços da minha mãe".

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Seguir perfil

A ler:

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D